Pular para o conteúdo principal

Ciranda em dia de festa

um conto de
Baltazar Gonçalves


        Quem julga ver do alto aos poucos nota diferença na perspectiva, é que a sombra do paredão que se estende por ali descobre as roças e a estrada recortada de mata-burros. Para perto da mesa o vôo descreve uma escala no ar, fria, vinda da janela. A tia prepara mistura de ervas, soda e anil, diz que assim a roupa fica mais clara para ir à quermesse, o que, de fato, acontece no varal agora. Numa ponta de vara Rosa equilibra o mundo e risca no chão, com força, um círculo perto das moitas de inhame, mas é da serra que os homens retornam para o almoço. Entram pela sala e dão com a notícia de que a chuva, em Belo Horizonte, deixou vítimas. A fartura ignora a fama de osso duro de roer que tem o tio e comem, enquanto buscam sentido, no chão, as palavras que sobram: Chegaram ainda noite, Vieram do Espigão, Levaram os bois pela Serra, Tinham carro esperando, Arrombaram a cerca.  Mais comida é posta. Rosa foi tocar um rebanho de dragões, faz zunir a vara que desenhara seus mundos e esquece o ermo da serra e o vazio no estômago. Nas camisas alvejadas a sombra do monjolo cria figuras disformes.
Da janela outra abelha refaz o percurso, agora no sentido inverso, e vai que, nesse estado perene, os dias passam em turnos de bentivis e os acontecimentos, a que chamamos precipitados fatos, se agrupam e cirandam. Quando mais tarde Rosa abrir os olhos o sol terá acordado toda gente que, para inventar o mundo primeiro foi preciso dormir cedo.
Da cama para o quintal, hoje é dia de festa. Tem visita na sala que acabou de chegar, o aroma do café agrega lembranças à luz que vem das frinchas de entre as telhas e o resultado aparece na fina malha, um texto em braille. Onde está o menino, Rosa pergunta e responde, Na caixa, já na conversa de gente grande é melhor não por sentido. Rosa vai brincar com o boneco que está guardado em cima do guarda-roupa, dera-lhe nome, tem cabeleira desenhada, usa sapatos e calça meias, é desses de pano e cabeça de papelão para os quais a tia preferia costurar desde sempre, pois que tem mais caída no corpo as roupas que faz, foi presente de aniversário do ano retrasado, ou de antes e conserva, se não for exagero a liberdade poética, algo distante no modo de olhar quando é retirado do caixote que lembra mais oratório que embalagem de presente. Nos braços de menina a terra é plana e pequena, o boneco parece rir dessa imagem, mas é ilusão apenas dela que imagina diálogos, falas e gestos que o animam. Rosa não ouve, porque ainda está no quarto, o choro recortado de interjeições suspensas que vem de fora, da varanda. Quando alguém liga o rádio para em seguida desligá-lo é só para sabermos que a música não fará mais que aborrecer a todos, que ninguém irá à quermesse e que os ladrões de gado não foram pegos.
A sala está vazia e o café.
O sol faz a sombra do paredão coincidir com a base, é meio dia. Na estrada a poeira ganha densidade luminosa quando outro carro desce pelo caminho que usamos para chegar até aqui. O silêncio deveria traduzir o que já é esperado, Nosso pai morreu no hospital, de tristeza dirão alguns, de avareza outros. De nós sempre haverá uma história a ser emendada.  Essa noite todos passam em vigília, O telhado parece o céu, alto e sempre escuro, O que conforta o coração, Nada, a tia explica, bonecos não sentem sono. E só então, com medo que a noite nunca acabe, Rosa adormece ouvindo Salve-rainhas.

Postagens mais visitadas deste blog

CENTAURO – José Saramago

Metade homem metade cavalo, meio racional meio besta, dividido, em busca e livre. Leia abaixo o texto completo do conto extraído do livro OBJETO QUASE, do Saramago.


O cavalo parou. Os cascos sem ferraduras firmaram-se nas pedras redondas e resvaladiças que cobriam o fundo quase seco do rio. O homem afastou com as mãos, cautelosamente, os ramos espinhosos que lhe tapavam a visão para o lado da planície. Amanhecia já. Ao longe, onde as terras subiam, primeiro em suave encosta, como tinha lembrança se eram ali iguais à passagem por onde descera muito ao norte, depois abruptamente rasgadas por um espinhaço basáltico que se erguia em muralha vertical, havia umas casas àquela distância baixíssimas, rasteiras, e umas luzes que pareciam estrelas. Sobre a montanha, que barrava todo o horizonte daquele lado, via-se uma linha luminosa, como se uma pincelada subtil tivesse percorrido os cimos, e, húmida, aos poucos se derramasse pela vertente. Dali viria o sol. O homem largou os ramos com um movim…

FÊNIX EM TRÊS ATOS

Numa noite de muito calor, a Fênix despiu-se de seu casaco de penas douradas para se banhar no lago. O homem que a viu nua viu a mulher mais bela que nunca alguém havia visto. Enquanto refrescava-se, ele escondeu sua plumagem no bosque. Refeita do calor, a fênix  mulher foi levada para a casa de seu benfeitor. Aconchegada em seus braços esqueceu-se do casaco, do bosque, do lago e que tinha voado um dia.

Os anos se passaram. Ficaram para trás as lembranças, o homem envelheceu e viu seus filhos crescerem. Mas, o que acontece com essa mulher? Ainda tão bela e inquieta? De onde saia a força que dela todos sentiam era um mistério a ser esquecido. Suas vizinhas a invejavam e, no secreto da alcova, fantasiavam noites de calor despidas num lago. Os maridos do vilarejo temiam que seus pensamentos fossem ouvidos na sua presença. No entanto, tudo amanhecia no lugar. Até a véspera do ano novo.

Era a noite do último dia do ano. Fazia um calor insuportável e  todos se reuniram para celebrar o novo…

CUITELINHO - a quarta estrofe Roni (por e-mail)

Amigo Baltazar......em paz aí ? Faço fé que sim.!Eis o "quarto verso" qual se refere:http://www.youtube.com/watch?v=GhcAr793KP0

"Eu vou pegar seu retratinho colocar numa medalha Com seu vestidinhio branco e o laço de cambraia Colocá-la em meu peito Onde o coraçao trabaia iaia...
"Coisa linda!Confesso que também só conhecia a versao "clássica" da cançao.Hoje, dia 28/08/2011, no Programa Viola Minha Viola da TV Cultura...o Pena Branca cantou e entao eu descobri...e me apaixonei novamente pela música!Evoé!um abraço,Roni/SP