Pular para o conteúdo principal

ALGEMA


“Ela escolheu a melhor parte e ninguém vai tirar dela.”
do evangelho de Lucas



O canavial cobre o vermelho da terra. Tapete verde, fabricado por mãos hábeis. Agulhas fincadas no duro chão dessa terra roxa. O sol envelhece a nossa pele, tudo é trabalho. Para as aves, que guardam algum parentesco com os dinossauros, a falta de mais colorido sinaliza a extinção. O silêncio precede à fome matinal. Nos galhos da mamoneira as galinhas avisam em algazarra que é hora do trato. A extinção está sempre próxima, nunca se sabe.

***
De longe se avista o terreiro que separa as duas casas. A eira da casa menor, caiada de branco, aponta na história um passado sem memória. Sem função, quase. Já foi guarda-volumes no tempo em que a cana descansava antes de seguir seu destino. Quem aprendeu perdendo diz que está sem eira, nem beira. Hoje os cômodos não tem serventia, guardam lenha seca e ratos. O pequeno quintal da casa maior, diluído, chega até a mata. Cerrado alto, segundo a classificação geral que consta dos compêndios da geografia. Aqui moram Marta e sua irmã. Atlântico é o terreiro vazio.

***
Vivem sem os pais que morreram e sem o irmão que se ausentou. Casara-se com uma professora, moça da cidade. Quem conta diz que ela o levou embora tão jovem.
Marta cozinha hoje, dizer isso é dizer nada. Muito já faz desde pequena, sem que haja tempo para pensar na vida ou na morte. Ou nas mulheres que vivem do que herdaram de seus homens. Servem ao tempo esperando quem lhes reconstitua o caminho que ficou por ser escolhido.
Ainda de jejum, por que hoje é dia santo, Marta prepara almoço especial. Carneiro recheado. Separa os grãos da palha enquanto a lenha ferve a água. Não para o café, hoje não bebo. Água fervente para limpar o couro do animal até que volte a parecer recém-nascido.
Marta trabalha enquanto sua irmã, ainda na cama, sonha. Dorme sono leve de silêncio monolítico, abandonada. No sonho, vê o pai ressuscitado que lhe estende a mão. Bate à porta com vigor. Num só tempo a porta e telhado são arrancados, desaparecem. A lua, então, ilumina a sala deserta. O pai aponta o indicador e diz sem mexer os lábios:
_ Escolheste a melhor parte.

***

Lá fora do sonho, na soleira da porta, um homem chama.
Engravatado, maleta de couro na mão esquerda e algo de rapina no olhar o horizonte.

***
Não importa saber o que a vida lhe trouxe longe desse terreiro. Está e chama. O gesto demonstra a universalidade de alguns acenos sobre as palavras mais essenciais. Há doze anos partiu sem deixar mais que saudade. A fisionomia está mudada. Não reconhecemos a altura de seus ombros aquele que foi.
Está e chama, não parece o irmão de Marta. No entanto é.
Bate.
Vem acordar aquela que sonha e essa que ainda não descansou.
Não devia aparecer ninguém, Marta pensa e corrige. Peca e pede perdão. Carneiro é comida para mais de três. Vai ao quarto, sozinha não tem coragem de atender voz de homem. Dá com os lençóis vazios. Antes de limpar das mãos os pelos do animal escuta o grito da irmã:
_ Lúcio.
O que traz de volta o filho à casa dos pais, falecidos é preciso repetir, está na maleta que carrega. Uma ordem de compra e venda. A casa, o terreiro, o quintal, a mata, tudo. As memórias desse lugar no rés do chão.

***

Será melhor assim. O progresso chega para todos, a cidade será construída inteira de uma vez. Planejada em cartório com papéis, carimbos e recibos. Tudo vendido para os estrangeiros, do Cruzeiro até a cabeceira das águas paradas. Trabalho de engenheiros da capital. Já tem quem vai construir fábrica e fortuna. Tem gente que ouviu a notícia e pôs o pé na estrada. Vai ser bonito de dar gosto. Ruas paralelas cortadas por avenidas largas, árvores só nas praças que serão muitas. A igreja será matriz de nossa senhora. Sem terreiro, sem poeira. Só o asfalto e as calçadas bonitas que lembrarão as de Lisboa. É um consórcio como nunca se viu. A publicidade traz homens do mundo todo, japoneses, italianos, franceses, ingleses, holandeses, alemães. Esse projeto vinga! Já vêm aí os trilhos e a fumaça. Operários estão cortando os batentes perto do boqueirão. Não tem mais que ficar, aprende a esquecer. Nosso pai morreu, entrega a casa para ela cair no chão. Tudo vai ser diferente.

***

Marta escuta e não vê o irmão. Não tem parada. Rasga a barriga do animal, tempera tudo. Substitui o vazio do interior por carne picada e lentilhas e cebolas e manjerona e sal.
Marta não para.
Da janela avista a mata e o quintal que chega até à varanda. Da mamoneira sua avó extraía óleo para curar feridas do mal que ninguém via. Benzia e rezava.
Marta tem os olhos fixos na terra seca, sente o ventre seco. Na mata distingue uma árvore bem mais alta que as outras, uma jangadeira. Tem cipó nela que não acaba mais. Marta olha tudo e não pode ver que é o resto de um tamanduá morto semana passada que atrai os carcarás.

***

A porcelana antiga foi tirada da cristaleira, a mesa nunca estivera tão bonita. Sentado na cabeceira, Lúcio sorri atento, espera. Paira um silêncio desconfortável. Marta serve, esboça um pensamento.
_ O canavial alimentou esse bicho.
Era a verdade. O trabalho na terra deu frutos, gerou riqueza. O tempo engoliu os frutos mais doces. Marta envelheceu trabalhando para cuidar das realizações dos dois irmãos.
A carne macia na boca de Lúcio tornou-se amarga. Alecrim de mais, pensou.  Comeram como reis em véspera de batalha. Nada mais foi dito até que Lúcio se levantou. A maleta esperava com os documentos, ele seguiu em frente e determinou.
_ Assine os papeis, eu volto ainda hoje para a capital.
Marta ergueu os olhos serena, baixou as mãos sobre a mesa. E disse.
_ Meu irmão, nós somos três à sombra de recordações. Não me resta muito. Tudo que eu tinha você veio desfazer. No tempo que esteve ausente minhas mãos esperaram seu retorno. Todo dia desejei também ir embora. Fiquei para cuidar, fiquei porque estou plantada nessa terra como jangadeira na mata. E me alegro de escolher ficar. Leve sua irmã consigo, na capital ela terá o mesmo futuro apressado. Na casa dos meus pais há encantos que você desconhece, eu fico. A casa, o canavial, o terreiro e a mata ficarão no mesmo lugar.


Antônio B.

Postagens mais visitadas deste blog

CENTAURO – José Saramago

Metade homem metade cavalo, meio racional meio besta, dividido, em busca e livre. Leia abaixo o texto completo do conto extraído do livro OBJETO QUASE, do Saramago.


O cavalo parou. Os cascos sem ferraduras firmaram-se nas pedras redondas e resvaladiças que cobriam o fundo quase seco do rio. O homem afastou com as mãos, cautelosamente, os ramos espinhosos que lhe tapavam a visão para o lado da planície. Amanhecia já. Ao longe, onde as terras subiam, primeiro em suave encosta, como tinha lembrança se eram ali iguais à passagem por onde descera muito ao norte, depois abruptamente rasgadas por um espinhaço basáltico que se erguia em muralha vertical, havia umas casas àquela distância baixíssimas, rasteiras, e umas luzes que pareciam estrelas. Sobre a montanha, que barrava todo o horizonte daquele lado, via-se uma linha luminosa, como se uma pincelada subtil tivesse percorrido os cimos, e, húmida, aos poucos se derramasse pela vertente. Dali viria o sol. O homem largou os ramos com um movim…

FÊNIX EM TRÊS ATOS

Numa noite de muito calor, a Fênix despiu-se de seu casaco de penas douradas para se banhar no lago. O homem que a viu nua viu a mulher mais bela que nunca alguém havia visto. Enquanto refrescava-se, ele escondeu sua plumagem no bosque. Refeita do calor, a fênix  mulher foi levada para a casa de seu benfeitor. Aconchegada em seus braços esqueceu-se do casaco, do bosque, do lago e que tinha voado um dia.

Os anos se passaram. Ficaram para trás as lembranças, o homem envelheceu e viu seus filhos crescerem. Mas, o que acontece com essa mulher? Ainda tão bela e inquieta? De onde saia a força que dela todos sentiam era um mistério a ser esquecido. Suas vizinhas a invejavam e, no secreto da alcova, fantasiavam noites de calor despidas num lago. Os maridos do vilarejo temiam que seus pensamentos fossem ouvidos na sua presença. No entanto, tudo amanhecia no lugar. Até a véspera do ano novo.

Era a noite do último dia do ano. Fazia um calor insuportável e  todos se reuniram para celebrar o novo…

CUITELINHO - a quarta estrofe Roni (por e-mail)

Amigo Baltazar......em paz aí ? Faço fé que sim.!Eis o "quarto verso" qual se refere:http://www.youtube.com/watch?v=GhcAr793KP0

"Eu vou pegar seu retratinho colocar numa medalha Com seu vestidinhio branco e o laço de cambraia Colocá-la em meu peito Onde o coraçao trabaia iaia...
"Coisa linda!Confesso que também só conhecia a versao "clássica" da cançao.Hoje, dia 28/08/2011, no Programa Viola Minha Viola da TV Cultura...o Pena Branca cantou e entao eu descobri...e me apaixonei novamente pela música!Evoé!um abraço,Roni/SP