Pular para o conteúdo principal

ABSTER

ao contrário,
o dia manheceu
engolido por ontem.
onde está o sonho, euforia
da última paixão inesquecivel?
deitado no aspero do papel
espero o alvorecer furioso
do alcance das palavras
e abster tragado
antes de mais nada.
*
*
Baltazar Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENTAURO – José Saramago

Metade homem metade cavalo, meio racional meio besta, dividido, em busca e livre. Leia abaixo o texto completo do conto extraído do livro OBJETO QUASE, do Saramago.


O cavalo parou. Os cascos sem ferraduras firmaram-se nas pedras redondas e resvaladiças que cobriam o fundo quase seco do rio. O homem afastou com as mãos, cautelosamente, os ramos espinhosos que lhe tapavam a visão para o lado da planície. Amanhecia já. Ao longe, onde as terras subiam, primeiro em suave encosta, como tinha lembrança se eram ali iguais à passagem por onde descera muito ao norte, depois abruptamente rasgadas por um espinhaço basáltico que se erguia em muralha vertical, havia umas casas àquela distância baixíssimas, rasteiras, e umas luzes que pareciam estrelas. Sobre a montanha, que barrava todo o horizonte daquele lado, via-se uma linha luminosa, como se uma pincelada subtil tivesse percorrido os cimos, e, húmida, aos poucos se derramasse pela vertente. Dali viria o sol. O homem largou os ramos com um movim…

FÊNIX EM TRÊS ATOS

Numa noite de muito calor, a Fênix despiu-se de seu casaco de penas douradas para se banhar no lago. O homem que a viu nua viu a mulher mais bela que nunca alguém havia visto. Enquanto refrescava-se, ele escondeu sua plumagem no bosque. Refeita do calor, a fênix  mulher foi levada para a casa de seu benfeitor. Aconchegada em seus braços esqueceu-se do casaco, do bosque, do lago e que tinha voado um dia.

Os anos se passaram. Ficaram para trás as lembranças, o homem envelheceu e viu seus filhos crescerem. Mas, o que acontece com essa mulher? Ainda tão bela e inquieta? De onde saia a força que dela todos sentiam era um mistério a ser esquecido. Suas vizinhas a invejavam e, no secreto da alcova, fantasiavam noites de calor despidas num lago. Os maridos do vilarejo temiam que seus pensamentos fossem ouvidos na sua presença. No entanto, tudo amanhecia no lugar. Até a véspera do ano novo.

Era a noite do último dia do ano. Fazia um calor insuportável e  todos se reuniram para celebrar o novo…

CUITELINHO - a quarta estrofe Roni (por e-mail)

Amigo Baltazar......em paz aí ? Faço fé que sim.!Eis o "quarto verso" qual se refere:http://www.youtube.com/watch?v=GhcAr793KP0

"Eu vou pegar seu retratinho colocar numa medalha Com seu vestidinhio branco e o laço de cambraia Colocá-la em meu peito Onde o coraçao trabaia iaia...
"Coisa linda!Confesso que também só conhecia a versao "clássica" da cançao.Hoje, dia 28/08/2011, no Programa Viola Minha Viola da TV Cultura...o Pena Branca cantou e entao eu descobri...e me apaixonei novamente pela música!Evoé!um abraço,Roni/SP