Pular para o conteúdo principal

REVOLUÇÃO

REVOLUÇÃO
****************
O país demolido florescerá, é a Revolução em marcha. Eu projeto o real à lápis, a partir dos destroços. Dou meu braço por um clichê porque quase tudo está perdido. Engendro sentidos no campo de visão para perceber mais uma vez a força do homem coletivo. Estou determinado, vou aderir ao Movimento.
Na minha frente está a Praça dos Poderes, me esquivo da presença encarnada e aflita dos que gemem de medo atrás de mim. Saio para a rua e vejo barreiras erguidas, e outro muro e outro muro e outro muro. A utopia é essa grande distopia, é a máscara grudada na cara desfigurada da multidão. Eu me entrelaço, cantamos antigo refrão. Minha sombra é a sombra de homens e mulheres e crianças e velhos que levam uma rosa numa das mãos e na outra, segura firme, a mão de quem vai ao lado.
Somos operários cansados de levar material de construção de um lado para outro dentro de nossas cabeças. Cada um que vai à marcha tem nos olhos a reconstrução do país. Mão à obra.
Num segundo levanto alicerces. Diante dos meus olhos, cem anos de solidão despencam do olho do furacão. O rosto de um menino envelhece quando a mãe o chama pelo nome.
Eu cerco todo o perímetro com canteiros, margeio o quarteirão com um jardim. Sobre os alicerces ergo paredes monumentais vazadas por amplas vidraças de cristais que deixam os ambientes iluminados. Em cada lavabo de cada banheiro eu pinto reflexos colorido que escapam da rua para cintilar em minúsculos nichos esquecidos. Nada escapa à luz poente.
Desenterro a fundação das paredes de todas as casas, tudo estava à mais de dois metros em valas socadas à ferro e blocos de pedra. Dessas valas retirei antes um pedaço de sonho, com ele aplaino canteiros de cravos e jardins de margaridas.
O trabalho preenche um vazio enorme no meu peito, mas ainda não tenho nome para o que sinto. A revolução vem em ondas, parte do coração daqueles que estão nas ruas.
Não vou me juntar aos políticos.
Para os políticos que têm gosto refinado por dinheiro, as fachadas explodem com a força destino. São déspotas esclarecidos e idiotas oportunistas que apreciam o rococó. Meu estilo é dórico, de berço clássico renascentista, biscoito fino para as massas. Os políticos terão que morar na rua. Os políticos dividirão o estilo dessa descrição alongada com a plebe porque isso é se chama Revolução.
Haverá um momento de paz depois da guerra, por isso faço surgir salões de festas debaixo dos viadutos. Festejaremos no fim do dia, cansados de cantar a paz, sôfregos de fazer amor.
Sei que a quantidade de peroba e jacarandá que vou usando para revelar a transformação que ocorre desagradará os ambientalistas de plantão. Sei disso, mas vivo há cinquenta anos e sei que precisamos da companhia da madeira dentro de casa. No meu devaneio sinto cheiro de árvore. Eu nunca mais tinha visto homens-árvore nas ruas. Quando eles se aproximam, sua estatura é angelical e triste.
Ergo o mais alto que posso esta construção.
A cidade se impõe nua.
Naquele telhado alguém agita uma bandeira contra o horizonte.
A planta baixa das moradias populares é desenho simples. Todas as moradias serão, depois da Revolução, simples e populares como um sorriso. Um sorriso para os modernos que têm a pressa elétrica dos condutores alucinados de energia. Um gosto peculiar por antiguidade inunda minha alma como se eu descobrisse novo encantamento pela cidade. A Revolução possível ainda é o amor.
Revigorado, ergo nos ombros lajens de concreto. Suporto colunas e vigas que oferecem dois metros de sombra para a multidão.
Já é tarde, talvez eu devesse voltar para casa. Talvez devesse desistir da evolução. Mas se o fizer agora, ficarei com o que já tenho - uma vaga lembrança do que seja o movimento. Isso não é o que busco. E o que busco? Eu que ainda espero muito da vida? Anseio saber se realmente amei um dia.
O amor abre as portas internas da dúvida. Diante das portas de ferro adornadas de cristal ele se detém. O amor é o reflexo caleidoscópico do sol numa face esquecida. Sua feição é agradável. Coloquei uma faixa em cada esquina para que o amor atravesse em segurança. Não reconheço ninguém, seria possível esquecer a força que tem o amor?
Nesse momento a cidade parece levitar de suas estruturas.
Eu estou demolido.
A Praça Poderes entardece, afundo na melancolia.
Ergo mais uma vez meu braço, traço um poste e nele acendo uma lâmpada cansada. Agora subo escadas inventadas, tudo é espaço em branco a ser escrito. Isto é revolucionário.
Sinto o peso da minha origem sob os meus pés, onde ficou Franca nesse esboço? Minha cidade natal está nos ombros de outros operários. Penso o absurdo que é o amor, uma revolução leva várias demãos de tinta.
Eu me encontrei na multidão. Não resisti ao apelo e beijei uma palavra de ordem na boca de um estranho que passava.
*
*
Baltazar Gonçalves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CENTAURO – José Saramago

Metade homem metade cavalo, meio racional meio besta, dividido, em busca e livre. Leia abaixo o texto completo do conto extraído do livro OBJETO QUASE, do Saramago.


O cavalo parou. Os cascos sem ferraduras firmaram-se nas pedras redondas e resvaladiças que cobriam o fundo quase seco do rio. O homem afastou com as mãos, cautelosamente, os ramos espinhosos que lhe tapavam a visão para o lado da planície. Amanhecia já. Ao longe, onde as terras subiam, primeiro em suave encosta, como tinha lembrança se eram ali iguais à passagem por onde descera muito ao norte, depois abruptamente rasgadas por um espinhaço basáltico que se erguia em muralha vertical, havia umas casas àquela distância baixíssimas, rasteiras, e umas luzes que pareciam estrelas. Sobre a montanha, que barrava todo o horizonte daquele lado, via-se uma linha luminosa, como se uma pincelada subtil tivesse percorrido os cimos, e, húmida, aos poucos se derramasse pela vertente. Dali viria o sol. O homem largou os ramos com um movim…

FÊNIX EM TRÊS ATOS

Numa noite de muito calor, a Fênix despiu-se de seu casaco de penas douradas para se banhar no lago. O homem que a viu nua viu a mulher mais bela que nunca alguém havia visto. Enquanto refrescava-se, ele escondeu sua plumagem no bosque. Refeita do calor, a fênix  mulher foi levada para a casa de seu benfeitor. Aconchegada em seus braços esqueceu-se do casaco, do bosque, do lago e que tinha voado um dia.

Os anos se passaram. Ficaram para trás as lembranças, o homem envelheceu e viu seus filhos crescerem. Mas, o que acontece com essa mulher? Ainda tão bela e inquieta? De onde saia a força que dela todos sentiam era um mistério a ser esquecido. Suas vizinhas a invejavam e, no secreto da alcova, fantasiavam noites de calor despidas num lago. Os maridos do vilarejo temiam que seus pensamentos fossem ouvidos na sua presença. No entanto, tudo amanhecia no lugar. Até a véspera do ano novo.

Era a noite do último dia do ano. Fazia um calor insuportável e  todos se reuniram para celebrar o novo…

CUITELINHO - a quarta estrofe Roni (por e-mail)

Amigo Baltazar......em paz aí ? Faço fé que sim.!Eis o "quarto verso" qual se refere:http://www.youtube.com/watch?v=GhcAr793KP0

"Eu vou pegar seu retratinho colocar numa medalha Com seu vestidinhio branco e o laço de cambraia Colocá-la em meu peito Onde o coraçao trabaia iaia...
"Coisa linda!Confesso que também só conhecia a versao "clássica" da cançao.Hoje, dia 28/08/2011, no Programa Viola Minha Viola da TV Cultura...o Pena Branca cantou e entao eu descobri...e me apaixonei novamente pela música!Evoé!um abraço,Roni/SP