sexta-feira, 13 de outubro de 2017

CAFEZAL

o perfume é inebriante mas suave
lembra o perfume das flores das laranjeiras
com buque menos acentuado
de longe, o cafezal parece
uma floresta anã coberta de geada
os pés são enfileirados em ruas que não tem fim
as ruas se multiplicam
e chegam até a encosta das serras
o branco das flores fica dourando ao entardecer
e de madrugadinha, quando o sol nasce,
o orvalho deixa tudo prateado.
*
*
Baltazar

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

DOCE VAMPIRO

Um vampiro nunca se retira no fim da festa,
o dia prenuncia a sangria da noite seguinte.
Esvaziado, pálido busca o quanto lhe basta,
e depois de farto retira a máscara e sangra.

Na boca silenciada e seca aperta suavemente a sua
e mata a sede da pobre alma com uma lágrima fria.
No rosto da vítima pode acontecer
de ser notado um espasmo de prazer.

Talvez seja para isso que vivam os vampiros,
para dar alguma alegria ao fim dos inevitáveis dias.
*
*
Baltazar

SAUDADE NOSTALGIA NEBLINA

  É difícil extrair quem somos do que nos disseram ser. O nome que damos as coisas também tem nome, é o tal substantivo. Substantiv...