terça-feira, 13 de junho de 2017

BORBOLETA NO MANGUEIRÃO

Ah!
Dulcíssima borboleta
abra o fole de tuas asas negro vermelhas
nelas
cada firme veio seco suspende nos ares 
meus etéreos
eternos ais.

(...)

Seriam patas esses longos cílios
ou aéreo pêndulo apenas fino?

(...)

Voe sobre o jardim cercado
voe sobre esse mangueirão
esse amplo átrio de barro que se abre largo
para porcos e homens em sua dura redenção.
-
Teu pouso inesperado
sobre este árido casulo
torna irmão toda criatura.

(...)

Ah!
Sereníssima e leve
borboleta
arma teu fole vivo
de cor ressurreta.
Eu não respiro
em agonia indeciso,
antes espero...
...na hora morta
no ruflar de tuas asas
o compasso que nos eleve.

Baltazar

SUMMERTIME - para Aretha Franklin

no quarto imenso dessa casa pequena minha cama vazia parece um barco tudo embaixo é o silencioso tão escuro quanto improvável terreno m...