quinta-feira, 11 de julho de 2013

TANTO

Devo piscar antes de ver,
devo lavar antes de comer,
devo pensar antes,
falar menos, devo tanto.

Fechar antes de sair, abrir
se for permitido, lembrar
o que escrevi no bilhete:
onde estão as chaves¿

Devo retribuir o sorriso e
não falar com estranhos:-
fumar depois do sexo
é clichê de cinema americano.

Mas,  é tempo de construir! erguer
andaimes nos arranhas céus
já que as bolsas de Nova York
em Seul estão vazias de dinheiro.

E por toda parte há fome:
as coisas agora têm fome...
mesmo uma sombra anda a
devorar o calcanhar distraído.


E os passos rápidos e lépidos e ligeiros e vorazes e disciplinados não levarão mais
a lugar algum: nem onde, nem quando.
Porque nunca desejaram sair
se para a firmeza no chão foram feitos ,
e antes de caminhar estão.

De olhar as nuvens as guardo doces,
E de amar tanto apascento teus rebanhos.

E basta tombar para o lado
A cabeça que releio a carta,
o bilhete memorando, a
cena memorável de qualquer instante.

E a fome volta a devorar as sombras...
as sombras a luz e a luz o dia com
suas nuvens no céu de Seul,
no coração da América.

Devo piscar antes de ver,
devo lavar antes de comer,
devo pensar antes,
falar menos, devo tanto.


Tanto.

2 comentários:

  1. Humus
    resumus
    onde são
    onde tão
    Américo?
    Afff...ganis-tão!
    ninguém

    ResponderExcluir
  2. sua leitura é convite de releitura, curta a PÁGINA CONSTRUÇÃO - saudade/saúde!

    ResponderExcluir

Se você veio até aqui, comente!

A VIDA NÃO VALE O DRAMA

já não me interessa discutir quem veio antes se o ovo ou a galinha se a arte copia a vida ou se a vida a imita  certo é que o drama é meno...