sábado, 24 de dezembro de 2011

PELO CAMINHO


Quando vier por esse caminho 
não esqueça de trazer água, pão
e da infância a recordação mais pura.
Haverá sombra para descasar 
sentada ao pé duma árvore
e toda a volta parecerá o caminho certo,
toda luz será amanhecer,
e a mão estendida para erguer-se será de quem estivera a seu lado sempre.
No alforge ainda caberá o bom livro e você dirá:
_Senta, tenho uma história para contar!
E o tempo cederá suspenso entre as copas que se unem irmãs,
as árvores nossa irmãs que forram o chão e o tornam macio nessa hora 
em que a vida pede uma pausa.
Vir pelo caminho não será voltar pelo caminho
nem partida, nem retorno...
quando vier será apenas encontro
Quando vier pelo caminho estarei plantado entre os arbustos no vale
sentindo seus pés desenharem no meu corpo o traçado da caminhada.


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

CEFAM de Votuporanga: para Laura Grecco


Ah! Essa sala de aula com seus dois painéis ao fundo, o fundo desse sala de aula... Fauna interessante, grupo seleto de figuras para álbum de recordação. Quando entrei aqui pela primeira vez tinha deixado seis anos de trabalho no CEFAM de Franca, era meu primeiro ano em Votu. Não satisfeito com o livro adotado no ano anterior resolvi que metade da turma (novos alunos que ainda não tinham livro didático) iriam usar um outro, então nas aulas usávamos os dois livros ao mesmo tempo em formação de duplas... foi o primeiro passo para tentar um "desconforto" que "desalinhasse" os caminhos da história, não foi fácil lembro mas, gratificante. E tinham as festas regadas a papel crepon... me lembro dos rostos, da quadra, das marcas do tempo nas rachaduras do piso perto do portão. E aquela árvore imensa florida de azul-púrpura, um jacarandá mimoso também conhecido por orelha de padre. Tornei-me amigo da diretora-coordenadora Dora, conhecida pelo codinome carinhoso de loucadora, administradora de fibra que fazia valer sua direção mas nunca dispensou o bom senso depois de uma conversa: a dora ouvia! Escrevo essa linhas porque fui assaltado hoje por uma ex-aluna no facebook, Laura Grecco. Carinhosamente se lembrou e escreveu algumas palavras resgatando essas memórias, me fazendo lembrar de mais de uma razão que tenho para estar a meio caminho de uma Votuporanga que não sai de mim, não sai!

SUMMERTIME - para Aretha Franklin

no quarto imenso dessa casa pequena minha cama vazia parece um barco tudo embaixo é o silencioso tão escuro quanto improvável terreno m...