sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O PROCESSO SEM KAFKA (colagem)

Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu...
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega o destino prá lá ...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...
A gente vai contra a corrente
Até não poder resistir
Na volta do barco é que sente
O quanto deixou de cumprir
Faz tempo que a gente cultiva
A mais linda roseira que há
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a roseira prá lá...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...
A roda da saia mulata
Não quer mais rodar não senhor
Não posso fazer serenata
A roda de samba acabou...
A gente toma a iniciativa
Viola na rua a cantar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a viola prá lá...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...
O samba, a viola, a roseira
Que um dia a fogueira queimou
Foi tudo ilusão passageira
Que a brisa primeira levou...
No peito a saudade cativa
Faz força pro tempo parar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega a saudade prá lá ...
Roda mundo, roda gigante
Roda moinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração...

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

CONTAGIROS

Conto a passagem do tempo na forma de segundo o tempo todo conto o tempo conto 1 conto 2 conto 3 e 4 na ordem como você a conhece 6 e assim por diante mas já estou bem adiantado nisso e como você bem sabe estamos vivendo agora.
Sou o Contador de dígitos da fábrica e fui contratado para nascer contados 1104, 1105, 1106 os números se promovem a si mesmos mas estou aqui para dar-lhes ciência disso e sigo contando 1107, 1108, 1109 depois 1110 depois 1111 depois eu conta sem parar.
Conto enquanto falo enquanto como enquanto escrevo enquanto conto eu conta sem parar.
Mas houve uma ruptura e por isso estou pensando... Porque demora do próximo secundo?
O conta-giros teve te tido um problema o conta-giros está tendo um problema de ordem mecânica estou à espera e nada de novo número para o novo segundo.
O tempo se alonga tento perceber que entre o tempo da máquina e o tempo da programação existe algo suspenso anti- natural o programador será comunicado da falha com certeza devo comunicar o lapso ocorrido.
Me empregaram nesse ofício desde que nasci e não conheço outro fazer descontando os anos bissextos e os dias de folga nada sei de nada fazer.
Folga é devo explicar para os amigos a oportunidade dada pelo sistema de se usar anestesia para dormir mesmo de olhos abertos fazem isso para não se ter consciência do tempo que passa.
Então nessas ocasiões há descanso para quem deu sua vida na contagem dos números que vestem os segundos é uma pausa de mil dígitos que estende a duração do repouso na espera pelo próximo dígito é uma quimera dispersa nas dimensões do alívio.


Baltazar

Um tipo de menina complicada

Olha aqui que vulgar eu não sou, oce pensa que meche com meu home e fica assim tudo bem? Mexê com meu home é pior que mexê com minha mãe, fico puta, sou puta quando quero e você vai se ferrar se falar com meu homem de novo. Tem vergonha não, ficar mendigando amizade, coisa feia vai pro orkut arrumar marido. Pro seu governo ele tá cazado comigo tá! e a garagem é pequena pro meu cros vox, você é pobre e burro e feio. Ninguém te quer, se chegar perto te corto em dois e daí vou pro churrasco lá da fábrica, que eu sou sócio e tenho dinheiro pra comprar um fim de semana na Disney. Não sou barraqueira, sou fina!

Agora sou anônima

Agora sou Anônima e as pegadas que deixo na areia estão molhadas, quando deito a cabeça na grama da encosta é pra deixar que o sol veja meu corpo respirar, e se penso que a chuva pode molhar meus cabelos desfaço o rabo de cavalo e esqueço que as formigas estão levando comida para o formigueiro. Deito as lembranças do meu lado e com elas travo debate acalorado, faço perguntas difíceis e recebo, grata, o silêncio como resposta. Fica  as tardes assim comigo, fico bem assim, fico sem ninguém em mim.





PARATATA

domingo, 6 de novembro de 2011

MENSAGEM do laboratório

Percebi logo que abri os olhos que alguma coisa tinha mudado. fora acessa um luz diferente do lado de fora, não do lado de fora do laboratório que não existe nada além daqui mas, uma luz suave que agora venho a saber que samam-na de luz de primavera. Parece que estão mundando o clima e essa é uma experiência que vai durar muito tempo.  Meus companheiros disseram que pode provocar câncer,  respondi, tendo os meus  anos de residência por caução de crédito, que o que procuram é o aumento dos preços nas terapias e medicamentos para tratar a anomalia e não execrá-la. As ruas estão molhadas pela chuva mansa de agora pouco e as árvores parecem reais pois exalam uma fragrancia sutilmente perceptível. Estive lá fora num sonho há muito tempo, essas árvores são tão belas como aquelas, meu espírito sabe isso. O laboratório se estende por quantas ruas não posso contar e os carros testam o combustível fóssil descoberto nas camadas geológicas rasas da Amazônia. Estou certo que falta pouco para que saia e descubra A verdade mas sei também, triste fim para uma história tão breve, que não será mais que outra experiência.

Quer ver de perto ?

Somos todos iguais. Quer ver de perto o que acontece na vida das pessoa? De perto o bastante para passar horas em silêncio na espreita, espiando entre cortinas em secreto? Só para dizer mais tarde que dineiro não traz felicidade mas manda servida em bandeija de prata? Espere até você amar alguém a ponto de se passar por idiota, espere até ver a morte chegar mais perto e levar algum conhecido seu, a noite vai demorar mais quando estiver esperando o resultado de um  exame de sangue. Na alegria e na tristeza , na riqueza e na pobreza, na dúvida e na convicção somos iguais, estamos iguais para a vida. Estamos à disposição do tempo para sentir no corpo tudo que é da carne, próprio do humano. Contemplar o que pode nos destruir e o faz com quem está do nosso lado é tremendo. O que pode nos elevar do solo, nos retirar do pó, fazermo-nos levitar antes do fim dessa experiência magnífica de estar vivo? Sentir o pulmão cheio desse ar fresco que chegou depois da chuva, sentir essa tarde como a primeira criada por deus, e mais nada.

A VIDA NÃO VALE O DRAMA

já não me interessa discutir quem veio antes se o ovo ou a galinha se a arte copia a vida ou se a vida a imita  certo é que o drama é meno...